O que é ‘liberdade em Cristo’?

Igreja das Cidades | Minneapolis | Recurso por David Mathis | Escritura: Gálatas 5:1–6

No porto de Nova York está uma estátua gigante de cobre, com 150 pés de altura – montada em uma base com outros 150 pés de altura, colocando a tocha de “Lady Liberty”, como alguns a chamam, a mais de 300 pés acima do solo. Esta “Estátua da Liberdade” foi um presente para os Estados Unidos, da França, em 1876, marcando 100 anos desde a Declaração de Independência. A estátua foi dedicada dez anos depois, em 1886, e se tornou um símbolo mundial de liberdade – de liberdade – por mais de 130 anos.

Mas podemos perguntar: Liberdade de quê? A ideia de liberdade, de liberdade, ganhou vida própria no mundo moderno, e pode ser fácil perder a noção do contexto da liberdade. Liberdade de quê e para quê?

Os pais fundadores dos Estados Unidos tinham em mente um opressor particular quando clamavam por liberdade: o domínio inglês. E mais especificamente para os fundadores dos Estados Unidos, liberdade significava governo com o consentimento dos governados, e não com a autoridade dos reis. No entanto, na luta pela independência da Grã-Bretanha, os fundadores não tiveram medo de falar da Liberdade em termos grandiosos:

Consideramos essas verdades auto-evidentes, que todos os homens são criados iguais, que são dotados por seu Criador de certos Direitos inalienáveis, que entre estes estão a Vida, a Liberdade e a busca da Felicidade.

O som da liberdade nos ouvidos humanos é um poderoso tônico, ora curando males genuínos, ora agindo como veneno. O clamor por liberdade pode produzir tanto eleições pacíficas quanto violência popular. O que começou com a liberdade nacional do domínio estrangeiro pode rapidamente se transformar em um grito de liberdade contra nosso próprio governo escolhido quando acontece que não gostamos de algo. O clamor por liberdade, sem controle, logo anseia por “liberdade” individual de qualquer “autoridade” externa, seja humana ou divina.

Em 1992, o juiz da Suprema Corte Anthony Kennedy escreveu, em Planned Parenthood vs. Casey, “No coração da liberdade está o direito de definir o próprio conceito de existência, de significado, do universo e do mistério da vida humana”. Essa é uma afirmação abrangente e expansiva, que pode ter chocado até o mais liberal dos fundadores. E isso foi há trinta anos.

Declaração de liberdade

No entanto, por mais moderno que possa parecer a ênfase na liberdade pessoal, o clamor por liberdade é muito mais antigo do que o liberalismo moderno, ou as turbas da Revolução Francesa, ou os documentos de princípios dos fundadores dos EUA. Mais de 1.700 anos antes, o apóstolo Paulo, no clímax de sua carta aos gálatas, fez sua grande declaração de liberdade. O que significa que o clamor cristão por liberdade – por liberdade cristã – antecede em muito os clamores que informam e distorcem o senso popular de liberdade hoje.

Paulo escreve em Gálatas 5:1 ,

Para a liberdade Cristo nos libertou; fique firme, portanto, e não se submeta novamente a um jugo de escravidão.

Esse clamor por liberdade captura o cerne do fardo de Paulo na carta. A primeira metade do versículo, a declaração de liberdade, antecipa o resto da carta, de Gálatas 5:13-6:10 , e a liberdade da vida cristã. E a segunda metade do versículo 1, a exortação a permanecer firme, capta a verdade-chave de Gálatas 2:16–4:7 : a plena aceitação de Deus é pela fé em Jesus Cristo.

A segunda metade do versículo 1, então, leva aos versículos Gálatas 5:2–4 ; e a primeira metade do versículo 1 leva a Gálatas 5:5–6 , Paulo volta à primeira parte do versículo 1. Portanto, há duas ênfases distintas neste texto: podemos chamá-las de “liberdade de” (versículos 1–1). 4) e “liberdade para” (versículos 1 e 5–6).

A pergunta para nós esta manhã é esta: O que é a liberdade cristã? E esta passagem responde em duas partes claras. E então encontraremos no final um terceiro aspecto que é mais sutil e fácil de passar despercebido e, portanto, talvez ainda mais importante de destacar.

Então, o que é a liberdade cristã?

Liberdade de

Primeiro, Paulo é claro sobre de que liberdade cristã é a liberdade. Veja novamente Gálatas 5:2-4 :

Veja: eu, Paulo, digo a você que se você aceitar a circuncisão, Cristo não será de nenhuma vantagem para você. Testifico novamente a todo homem que aceita a circuncisão que ele é obrigado a guardar toda a lei. Você está separado de Cristo, você que seria justificado pela lei; você caiu da graça.

Lembre-se, como vimos ao longo de Gálatas, a questão nesta carta é a justificação, isto é, como você acerta, e permanece correto, com Deus. Em que bases, e por que meios, os pecadores como nós podem ser totalmente aceitos por Deus e ter uma posição correta com ele?

A resposta de Paulo, como vimos, é que a justificação é somente pela fé. Sua plena aceitação por Deus, sua posição correta com Deus, é (1) baseada somente na obra de Cristo e (2) acessada e recebida somente pela fé. Para justificação diante de Deus, não podemos combinar nosso fazer com o de Cristo como base, nem nosso fazer com crer como instrumento. Nós dois “entramos” no relacionamento correto com Deus e – isso é importante – “ficamos”, somente pela fé.

Assim, nos versículos 2-4, Paulo emite uma sucessão de três advertências, porque é preciso vigilância para distinguir entre justificação e outras realidades da vida cristã.

Liberdades a serem defendidas

Paulo diz, “mantenha-se firme” no versículo 1. A liberdade é um chamado que ele dirá no versículo 13; A liberdade cristã, fundamentada na justificação pela fé, é uma liberdade a ser defendida. Não é suficiente começar pela fé e depois acrescentar a justiça pelas obras. E também toma o cuidado de não presumir e aplicar a fé apenas de maneira imprópria.

Por exemplo, quando um pai diz a uma criança: “Arrume seu quarto”, não devemos presumir que isso não é justiça pelas obras. A questão apresentada não é estar correta diante de Deus. A questão é a obediência aos pais e uma família frutífera. Isto é, a menos que o pai faça disso uma questão de justiça pelas obras, dizendo: “Se você não limpar seu quarto, então você vai para o inferno”. Se fosse esse o caso, a criança ou adolescente cristão teria todo o direito de dizer: “Querido pai, não posso ganhar a aceitação total de Deus limpando meu quarto. Eu só posso estar certo e estar certo com Deus pela fé somente em Cristo. Eu te obedecerei, porque você é meu pai, mas isso não é uma questão de justificação diante de Deus”.

Assim, como cristãos que amam e se deleitam na liberdade que temos em Cristo por meio da justificação pela fé, devemos ter o cuidado de estar atentos às pressões que colocamos sobre os outros e às pressões que permitimos que os outros exerçam sobre nós. que termos. Para permanecermos firmes e defendermos a justificação diante de Deus, queremos mantê-la clara em nossas mentes e palavras.

Liberdade da circuncisão

A liberdade cristã, então, é liberdade de quê? Vimos nesta carta que a justificação pela fé nos liberta do pecado ( Gálatas 3:22 ), e da maldição da lei ( Gálatas 3:13 ; e dos princípios elementares do mundo, Gálatas 4:3 ). O sacrifício de Cristo cobre nossos pecados e nos liberta da culpa de nossos pecados, e cada vez mais do poder de nossos pecados.

A liberdade mais imediata nesses versículos é a liberdade da circuncisão. Gálatas 5:2 é a primeira vez nesta carta que Paulo menciona a circuncisão, mas este é o ponto crítico na Galácia. Por causa da pressão dos falsos mestres, os cristãos gálatas parecem já ter acrescentado as festas judaicas ao seu cristianismo ( Gálatas 4:10 ), e estão pensando em aceitar a circuncisão como o passo decisivo para adotar a lei da antiga aliança. Assim, a circuncisão representa tomar o jugo da lei da antiga aliança, acreditando ser um passo necessário para pertencer ao povo de Deus e ser achado “justo” no dia do julgamento.

Então, no versículo 2, Paulo diz, em essência: “Se eu pudesse apenas dizer uma coisa para você. . .” Ele diz: “Olhe: eu, Paul . . .” Em outras palavras, ouça, sou eu. Você me conhece. Eu trouxe o evangelho para você. Ouça. Eu vou atirar em você: “se você aceitar a circuncisão, Cristo não será de nenhuma vantagem para você”. Não é porque a circuncisão é errada ou condenável em si mesma. Mas, neste caso, aceitar a circuncisão significaria que os gálatas agora acreditam que Cristo, e a fé nele, não é suficiente para estar certo com Deus, e assim, ser circuncidado seria rebelar-se contra Deus e Cristo. Esse é o primeiro aviso.

Liberdade da lei

Depois, uma segunda advertência em Gálatas 5:3 : “De novo testifico a todo homem que aceita a circuncisão que está obrigado a guardar toda a lei.” Quando Paulo diz manter lá, a palavra é literalmente fazer. Nesta situação, onde a lei da antiga aliança, por meio da circuncisão, tornou-se uma questão (pelos falsos mestres) da retidão com Deus, abraçá-la é se afastar de Cristo e de sua nova aliança.

Eles não podem simplesmente acrescentar a circuncisão; voltar-se para lá é voltar-se para toda a lei. E agora que Cristo veio, não há mais um sistema sacrificial válido que Deus aceite. Se você “adicionar a lei”, você deve cumprir a lei perfeitamente. E você não pode fazer a lei da antiga aliança perfeitamente. Aliás, você também não pode cumprir todos os mandamentos da nova aliança, mas na nova aliança temos Cristo. Na nova aliança, temos sua provisão para nossos pecados. E assim fazemos confissão semanal todos os domingos como igreja. Nós falhamos toda semana. Todos os dias. Não podemos ficar ou manter-nos corretos com Deus por ou através de nossas ações.

Liberdade de ganhar a justiça

Então, uma terceira e última advertência em Gálatas 5:4 : “Vocês estão separados de Cristo, vocês que querem ser justificados pela lei; você caiu da graça.” “Graça” aqui, como no versículo 3, aborda a questão subjacente. Nós falamos nesta série sobre “lei” significando a antiga aliança, e não lei ou mandamentos em geral. Enfatizamos a mudança nas épocas da história, da antiga aliança para a nova. Mas esta carta não é apenas sobre a antiga aliança versus a nova. Um segundo problema está por trás disso: fazer versus crer, para estar bem com Deus. Ou, ganhar versus graça.

Aceitar a circuncisão, diz Paulo, será cair da graça, porque a circuncisão representa um acréscimo a Cristo para justificação e inevitavelmente introduz a lei e o agir na graça e na fé de ser justo com Deus por meio de Cristo.

“Viver a vida cristã pela graça significa que alcançamos e permanecemos em um relacionamento correto com Deus somente pela fé.”

O que significa, então, na prática, viver a vida cristã por essa graça quando há mandamentos na nova aliança? Todos os domingos em nossa igreja, ensaiamos a Grande Comissão de Jesus para ensinar todas as nações a observar tudo o que ele ordenou. Viver a vida cristã pela graça significa que, no fundo, alcançamos e permanecemos em um relacionamento correto com Deus somente pela fé, baseado somente em Cristo.

E à medida que obedecemos aos mandamentos de Cristo (o que fazemos, cada vez mais de coração!), e à medida que acessamos a voz de Deus diariamente em sua palavra, e respondemos a ele em oração, e nos reunimos com este corpo aos domingos para adorar e durante a semana para comunhão, não procuramos assegurar ou manter nossa posição com Deus por meio de nossas ações, mas nossos esforços, nossas vidas, nossa obediência pela fé são canais da graça contínua de Deus para nós. Não obrigações para justificação, mas expressões do que chamamos de santificação. O que leva, então, para que serve nossa liberdade.

Liberdade para

Lembre-se, a primeira metade do versículo 1 (“Para a liberdade, Cristo nos libertou”) é retomada nos versículos 5–6. O versículo 2 foi a única e direta palavra de exortação de Paulo sobre a liberdade de – do pecado, da lei, da maldição e da morte, e de tentar ganhar a aceitação de Deus. Agora, os versículos 5–6 celebram a liberdade para quê e resumem a carta inteira, do começo ao fim – e observe a ênfase na fé:

Pois pelo Espírito, pela fé, nós mesmos aguardamos a esperança da justiça. Pois em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão contam para coisa alguma, mas somente a  que atua pelo amor.

Nossa primeira pergunta pode ser: O que é essa “espera pela esperança da justiça”? Em Cristo, já não temos, pela fé, uma posição correta com Deus?

Até agora, em Gálatas, a ênfase tem sido no passado (a obra completa de Cristo) e no presente (somos justificados , agora, pela fé). Qual é esse aspecto futuro?

Esperança futura de liberdade

Primeiro, devemos esclarecer que “esperança” em inglês soa muito mais incerto aos nossos ouvidos do que “esperança” em grego ( elpis ) para os gálatas. E a esperança, como confiança profunda, não um desejo ralo, se encaixa aqui com um aspecto futuro da justificação, quando é de fato pela fé.

Paulo tem o julgamento final em vista no versículo 5, e ele não muda sua ênfase na fé. A fé em Cristo é como agora desfrutamos de plena aceitação com Deus e como seremos achados certos no final. Entramos pela fé, permanecemos pela fé e seremos confirmados pela fé. Mesma base: obra de Cristo, não nossa. O mesmo instrumento: nossa fé, não nosso fazer. Que esperança resta então para o futuro? A declaração pública de Deus de nossa justiça em Cristo, pela fé, para que todos saibam, no julgamento final, confirmada por evidência real de mudança em nossas vidas.

Liberdade para desfrutar de Deus

Então, para que, então, a liberdade Paulo diz em Gálatas 5:5 que isso é “através do Espírito”, que é fundamental para a compreensão da liberdade cristã . O Espírito Santo nos transforma. Ele tira o velho coração natural de pedra e coloca um coração de carne. Ele nos dá novos desejos. Ele começa sua obra santificadora ao longo da vida em nós, e nos tornamos novos. Ele nos liberta para sermos adotados como filhos e filhas.

E ele nos liberta para a herança de todas as coisas, o que significa que a liberdade em Cristo – liberdade para – inclui “as coisas da terra” que Deus nos deu para desfrutá-lo. Em Cristo, por meio do Espírito, somos livres para desfrutar plenamente das boas dádivas de Deus — o que significa receber essas dádivas conscientemente de suas mãos e traçar a dádiva até o Doador. E há mais.

A grande profecia da nova aliança em Jeremias 31 capta tão bem a “liberdade de” e a “liberdade para” da vida cristã. Em Cristo, temos liberdade de: “Perdoarei a sua iniqüidade, e não me lembrarei mais do seu pecado” ( Jeremias 31:34 ). E ouça como Jeremias lança a liberdade para:

Colocarei minha lei dentro deles e a escreverei em seus corações (novos desejos, pelo Espírito!). E eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. E não ensinará mais cada um a seu próximo e cada um a seu irmão, dizendo: ‘Conhece o Senhor’, porque todos me conhecerão, desde o menor até o maior, diz o Senhor. ( Jeremias 31:33-34 )

“A liberdade cristã é para desfrutar do que fomos feitos – para quem fomos feitos: Deus em Cristo.”

A liberdade cristã é a liberdade para conhecer a Deus. Por ser dele, e tê-lo como nosso. Por meio do Espírito, somos libertos para a santidade, libertos para a vida verdadeira, libertos para ser filhos e filhas na família mais feliz, libertos para desfrutar da herança de tudo e desfrutar de Jesus agora e para sempre. A liberdade cristã é para desfrutar finalmente e para sempre aquilo para que fomos feitos – para quem fomos feitos: Deus em Cristo.

Liberdade com

Mas há uma realidade final neste texto para entender a liberdade cristã. E este é o sotaque de Paulo no final do versículo 6:

Em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão contam para nada, mas somente a fé que opera pelo amor.

Paulo não está aqui dizendo que o amor nos justifica diante de Deus. Ele está dizendo que a fé que nos justifica diante de Deus é o tipo de fé que “opera pelo amor”. É uma fé ativa (não preguiçosa), uma fé viva (não morta), uma fé capacitada pelo Espírito (não auto-reunida). E esse amor (pelos outros) é uma liberdade, não um fardo. Em Cristo, fomos libertos para amar. O que significa, em terceiro e último lugar, que a liberdade cristã não é apenas liberdade de , e não apenas liberdade para , mas também liberdade com.

Pule para Gálatas 5:13 :

Pois vocês foram chamados à liberdade, irmãos. Só não use sua liberdade como uma oportunidade para a carne, mas pelo amor sirva uns aos outros.

Observe as confirmações de nossos dois primeiros pontos: (1) somos chamados à liberdade. A liberdade de ganhar a aceitação de Deus por meio de nossas ações, e a liberdade do pecado, da lei e da morte não é opcional, mas essencial. E (2) a liberdade é para alegria, para santidade, para vida, para conhecer a Deus – não “uma oportunidade para a carne”, mas vida no Espírito. E então, finalmente, (3) liberdade com: “através do amor, sirvam-se uns aos outros”.

A justificação pela fé nos liberta para amar os outros. Ela nos liberta do fardo de ganhar nossa posição com Deus. Isso nos liberta de ficarmos fixados em nosso status e ações. E nos liberta, então, para amar os outros – para dar atenção às suas necessidades, tomar a iniciativa e despender esforço para atendê-las.

E não é apenas a liberdade cristã para amar os outros, mas é uma liberdade com os outros. Esse é o ponto sutil do texto: não estamos sozinhos. Versículo 1, “nós”. Versículo 5, “nós”. Versículo 6, “amar [outros]”. Versículo 13, sirvam “uns aos outros”. E veremos nas próximas semanas, versículo 15, “uns aos outros” mais duas vezes. E então, versículo 26, “uns aos outros” mais duas vezes. E Gálatas 6:10 , “especialmente a família da fé”.

Liberdade Juntos

A liberdade cristã é liberdade conjunta. Não é o tipo de liberdade que nos afasta uns dos outros, para proteger nossos direitos e guardar nossos pequenos pacotes de liberdade. Mas é uma liberdade juntos, uma liberdade com, uma liberdade que é maior e mais agradável com os outros. Em Cristo, somos livres para servir aos outros, abençoar os outros, amar uns aos outros; estamos livres da autojustificação, do auto-foco, do egoísmo. Somos livres para fazer a feliz escolha de não exercer algum direito pessoal, às vezes, por amor, como Paulo fala em 1 Coríntios 9-10 : tudo.”

“A justificação pela fé nos liberta para amar os outros.”

E a liberdade da alegria juntos através do amor é uma liberdade maior do que o foco em si mesmo. A liberdade mais doce e agradável não está sozinha, mas em conjunto – e muitas vezes é desfrutada negando a nós mesmos alguns “direitos” pessoais, ou liberdades menores, pelo bem dos outros e desfrutando de maiores alegrias e maior liberdade de amor. A liberdade com é uma alegria muito maior do que a liberdade solo.

Então, nos reunimos à Mesa. A Ceia do Senhor é uma mesa tanto de liberdade como de união. Liberdade na medida em que fomos libertos de nosso pecado, morte e inferno, e livres do fardo de ganhar a aceitação de Deus. E fomos libertos para a vida no Espírito e a alegria da santidade e do amor. E fomos libertados juntos. Há unidade em nossa liberdade em Cristo.

Chamamos isso de Comunhão porque nesta Mesa nos aproximamos, não nos afastamos, de Cristo e uns dos outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.